Pesquisar neste blogue

Número total de visualizações de página

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Calculada velocidade impressionante de buraco negro



Ilustração
Fotografia © Reprodução/CfA
Pela primeira vez, astrónomos conseguiram calcular a rotação de um buraco negro super-maciço. A esfera com mais de dois milhões de quilómetros de diâmetro, oito vezes a distância da Terra à Lua, está no centro da galáxia 'NGC 1365' e gira tão rápido que a sua superfície está a viajar no espaço quase à velocidade da luz.
A medição de rotação dá pistas preciosas sobre como o buraco negro cresceu e alcançou o estatuto de super-maciço, o maior tipo de buraco negro. Esse crescimento influencia a evolução das galáxias, pelo que esse simples número pode ensinar muito aos cientistas.
Investigadores do Centro de Astrofísica (CfA, sigla em inglês) da Universidade de Harvard, nos EUA, utilizaram novos dados recolhidos por dois satélites espaciais, NUSTAR e XMM-Newton, para calcular a impressionante taxa de rotação. O estudo foi publicado hoje na revista científica Nature.
"Esta é a primeira vez que alguém mediu com precisão a rotação de um buraco negro super-maciço", disse o autor principal do estudo, Guido Risaliti, num comunicado do CfA. Os buracos negros são extremamente difíceis de estudar, pois muito do que a astronomia observa depende da deteção da luz.
A gravidade de um buraco negro é tão forte que, enquanto ele gira, ele arrasta o espaço circundante junto. A borda do buraco giratório é chamada 'horizonte de eventos'. Qualquer matéria que cruze o horizonte de eventos é sugado para o interior do buraco.
A rotação do objeto espacial interessa aos astrónomos por várias razões. A primeira é física, pois apenas duas medidas conseguem definir um buraco negro: a sua massa e a sua rotação. Os estudiosos explicam que ao chegar a esses dois números, fica-se a saber tudo o que há para saber sobre o buraco negro.
Fonte: Diário de Notícias Virtual
-

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Pulseira permite controlar quase tudo com gestos


Pulseira permite controlar quase tudo com gestos

Fotografia © Reprodução/Youtube
(COM VÍDEO) Uma 'pulseira Jedi', que permite ao utilizador interagir com o mundo digital apenas com o movimentos das mãos, será lançada até o final do ano e já pode ser encomendada por cerca de 115 euros.
A empresa que desenvolveu o produto, a Thalmic Labs, divulgou um vídeo ontem em que demonstra as capacidades do dispositivo, que já pode ser encomendado no site da companhia por 149 dólares e deverá ser entregue até o fim do ano.
A pulseira, batizada de MYO, deteta a atividade elétrica produzida pelos músculos do seu utilizador e, com funções pré-definidas para cada gesto, consegue controlar equipamentos eletrónicos e interagir os meios digitais como videojogos, telemóveis e computadores.
Os idealizadores do produto esperam melhorar as habilidades dos utilizadores. "Nós estamos interessados em como podemos usar a tecnologia para melhorar as nossas habilidades como seres humanos - em suma, dar-nos super-poderes", disse Stephen Lake, co-fundador e presidente da companhia, ao jornal britânico Daily Mail.
Fonte:Diário de Notícias Virtual

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Vida poderá encontrar-se perto de estrelas moribundas


Vida poderá encontrar-se perto de estrelas moribundas

Fotografia © Reprodução/CfA
Estrelas a morrer podem ter planetas com vida na sua órbita, aponta um estudo do Centro de Astrofísica (CfA, sigla em inglês) da Universidade de Harvard. Os cientistas acreditam que, se tal vida existir mesmo, poderão ser detetá-la na próxima década.
Segundo os investigadores, as buscas deverão concentrar-se em estrelas que estão a morrer, as anãs brancas. Eles acreditam que será muito mais fácil detetar oxigénio na atmosfera de um planeta a orbitar uma anã branca do que num planeta a orbitar uma estrela semelhante ao Sol.
"Na busca por evidências biológicas extraterrestres, as primeiras estrelas a ser estudadas devem ser as anãs brancas", disse Avi Loeb, teórico do CfA.
Quando uma estrela como o Sol morre, ela ejeta as suas camadas externas, deixando um núcleo quente, que é chamado de anã branca. O seu tamanho típico é semelhante ao da Terra, mas praticamente com a mesma massa da estrela que lhe dá origem. Ela arrefece aos poucos e desaparece com o tempo, mas pode reter o calor suficiente para aquecer um planta ao seu redor por milhares de milhões de anos.
Como uma anã branca é muito menor e mais fraca do que o Sol, um planeta teria de estar muito mais próximo dela para ser habitável, ter água líquida na sua superfície. Tal planeta daria uma volta a cada 10 horas da estrela que orbita.
Mas, antes de uma estrela se tornar uma anã branca, ela incha, dando origem a uma gigante vermelha, e 'engole' os planetas próximos. Assim, o planeta onde se espera encontrar vida deveria ter entrado na zona habitável da estrela só depois de ela se tornar uma anã branca. O planeta poderia ser formado a partir dos restos de poeira e gás (conhecido como de segunda geração), ou migrar para perto da estrela vindo de uma distância maior.
Fonte: Diário de Notícias Virtual

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Cometa deve poder ser visto a olho nu


Cometa deve poder ser visto a olho nu                         Fotografia © Reprodução/NASA

(COM VÍDEO) O cometa 'Pan-STARRS' foi descoberto por astrónomos norte-americanos em junho de 2011. No início de março, o corpo celeste vai passar a cerca de 160 milhões de quilómetros da Terra, após entrar brevemente na órbita de Mercúrio. Grande parte dos cientistas acredita que será visível a olho nu, tão brilhante quanto as estrelas da constelação Ursa Maior.

Muito além das órbitas de Neptuno e Plutão, onde o Sol é apenas um pontinho de luz não muito mais brilhante que as outras estrelas, uma enorme quantidade de corpos gelados circula pelo sistema solar. Essa zona é chamada pelos astrónomos de 'Nuvem de Oort', e seria a fonte dos melhores cometas da história.
É de lá que vêm o Pan-STARSS, descoberto pelo Telescópio de Investigação Panorâmica e Sistema de Resposta Rápida no topo do vulcão Haleakala, no Havaí. Os astrónomos utilizam o telescópio de 1,8 metro para vasculhar os céus em busca de objetos que se aproximam da Terra, tanto asteroides como cometas, que podem representar algum perigo para o nosso planeta.
O cometa que apareceu em junho de 2011 foi chamado de "Pan-STARRS", sigla para o nome do telescópio (Panoramic Survey Telescope and Rapid Response System, em inglês).
Veja o vídeo da NASA a explicar as previsões (em inglês):

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Há um micro continente pré-histórico junto às Maurícias


No Oceano Índico, bem próximo das ilhas Maurícias, encontra-se um micro continente pré-histórico sob uma espessa camada de lava e a vários milhares de metros de profundidade. Disto dá conta um estudo divulgado hoje (domingo).

Este fragmento de um continente chamado Mauritia, surgiu aqui há cerca de 60 milhões de anos, onde agora se situa Madagáscar. Este pedaço de solo foi coberto por uma enorme quantidade de lava surgida do coração da Terra. De acordo com a AFP, a informação consta de um estudo publicado na revista científica britânica Nature Geoscience.
A formação dos continentes é frequentemente associada a 'plumas' de rochas extremamente quentes resultantes do manto terrestre. O calor vai atenuando, suavizando as placas tectónicas após uma intensa atividade vulcânica.
Assim, a parte oriental do Gondwana, um "supercontinente" que apareceu há cerca de 600 milhões de anos começou a fraturar na época Jurássica. A fragmentação deu origem a Madagáscar, Índia, Austrália e Antártida que migrou para ocupar a sua atual posição.
Em certos casos, alguns fragmentos de massa foram ficando pelo caminho, dando origem a agrupamentos de terra como é o arquipélago das Seychelles, em tempo considerado uma curiosidade geológica pela comunidade científica.
Este micro continente agora descoberto resulta de uma formação muito semelhante à das Seychelles. E os estudo diz ainda que "o Oceano Índico pode estar repleto de fragmentos de continente".
fONTE: Diário de Notícias Virtual

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Foto de 'hiper resolução' mostra Londres a 360

Foto de 'hiper resolução' mostra Londres a 360º


É com uma composição de 320 gigapixels e 48 mil quadros individuais que se cria a maior panorâmica do mundo. A imagem é tão detalhada que permite ver Londres de uma ponta à outra, passando pela torre do Big Ben, os armazéns Harrods e a roda gigante, conhecida como London Eye ou a Roda do Milénio.
Veja aqui o mapa interativo da cidade londrina
Instalados do topo da Torre BT - décimo edifício mais alto de Londres - com quatro câmaras Canon EOS 7D, Jeffrey Martin, Tom Mills e Holger Schulze, responsáveis pela captação e tratamento das imagens, lutaram contra a chuva, o vento e temperaturas congelantes para retratar cada pedaço da cidade em apenas três dias.
Apesar das dificuldades da primeira parte do projeto, o processo de montagem foi ainda mais longo. Foram precisos três meses para que os técnicos de imagens conseguissem processar a informação e criar um retrato completo de Londres.
Terminado, o mapa interativo convida os internautas a encontrar os pontos atrativos da cidade ou descobrir "novos" lugares, que não sabiam existir na capital inglesa.
Impressa em papel, a panorâmica chega a alcançar os 98 metros de diâmetro e os 24 metros de altura - ficando quase tão grande como o Palácio de Buckingham, que também pode ser visto na imagem...
Fonte: Diário de Notícias Virtual

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Curiosity descobre que o interior de Marte é cinzento


Curiosity recolhendo as primeiras amostras cinzentas do subsolo marciano

Fotografia © Reuters
O planeta vermelho, só é vermelho por fora. O robô norte-americano Curiosity conseguiu extrair uma rocha cinzenta do interior do planeta. Esta operação representa um feito histórico já que é a primeira vez que a NASA consegue recolher uma amostra do interior de um planeta.
"A equipa científica está muito emocionada com o facto de estas amostras não serem da cor vermelha que associamos ao planeta Marte", afirmou Joel Hurowitz, responsável pelo sistema de recolha de amostras do Curiosity.
Segundo o jornal espanhol "ABC", para o períto da NASA "a cor vermelha do planeta deve-se à oxidação do ferro contido nas rochas e quando se explora abaixo da superfície consegue-se ver mais do que revelam as camadas superfíciais".
Os investigadores acreditam que a amostra agora recolhida terá indícios de que no passado poderá ter havido água em Marte e por conseguinte, o planeta poderia ter tido condições para permitir formas de vida.
A pequena rocha extraida pelo Curiosity mede apenas 1,6 centímetros de diâmetro, é de origam sedimentária e será analizada por um instrumento chamado "In-Situ Martian Rock Analysis".
A equipa da NASA chamou a esta amostra histórica "John Klein", em homenagem ao responsável adjunto do programa Curiosity, falecido em 2011.
Fonte:Diário de Notícias Virtual

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Meteorito gigante caiu na Austrália há 360 milhões de anos


Cientistas descobriram uma zona de impacto de 200 quilómetros de diâmetro no interior australiano que terá sido provocada pela queda de um gigantesco meteorito há 360 milhões de anos, informou hoje um membro da equipa.

O meteorito mediria entre 10 e 20 quilómetros de diâmetro, mil vezes maior que o que caiu na região russa dos Urais na semana passada, com cerca de 20 metros de diâmetro, segundo Andrew Glikson, professor convidado da universidade nacional australiana.
Enquanto o evento de sexta-feira passada provocou uma onda de choque que estilhaçou vidros e feriu centenas de pessoas na cidade de Chelyabinsk, a queda do meteorito australiano terá tido consequências à escala global, adiantou Glikson.
"O que é realmente impressionante é a extensão da zona que sofreu o impacto. Um mínimo de 200 quilómetros de diâmetro, o que faz com que esta seja a terceira maior superfície do mundo impactada pela queda de um objeto celeste", acrescentou o cientista.
O investigador sublinhou ainda a raridade de eventos deste género, sublinhando que asteroides desta dimensão entram em colisão com a Terra uma vez em muitas dezenas de milhões de anos.
"Penso que não temos de nos preocupar com isso. Pelo menos não tanto como com acidentes nucleares e com as alterações climáticas", afirmou.
Fonte: Diário de Notícias Virtual

NOVO EMAIL

Temos um novo email: geral@fenomenosuniversais.pt

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Novo Endereço

O blog Fenómenos Científicos e o Nosso Planeta tem um novo endereço que é: fenomenosuniversais.pt

Três horas sem contacto com a Estação Espacial


Três horas sem contacto com a Estação Espacial

Fotografia © NASA
A agência espacial norte-americana (NASA) divulgou hoje ter perdido as comunicações com a Estação Espacial Internacional (EEI), atribuindo a falha a um eventual problema informático.
A NASA informou igualmente que os astronautas a bordo da estação e os engenheiros da agência espacial estão a trabalhar para restabelecer as comunicações.
"Esta manhã, cerca das 09:45 (14:45 na hora de Lisboa), a Estação Espacial Internacional perdeu o contacto com o solo. Os controladores de voo em Houston (Texas, sul dos Estados Unidos) estavam a atualizar o sistema informático a bordo da estação, mas o sistema começou a funcionar mal", precisou a NASA, num comunicado.
A agência espacial norte-americana referiu que o computador principal que gere os parâmetros da vida a bordo da EEI foi substituído por um sistema de recurso. Este sistema não permite comunicações via satélite.
A NASA conseguiu reestabelecer totalmente o contacto por volta das 12:34 (17:34 hora de Lisboa), depois de um breve contacto por volta das 11.00 (16.00 em Lisboa), durante o qual a tripulação recebeu instruções para trabalhar com um computador de recurso.
O atual comandante da EEI, Kevin Ford, fez saber que estava tudo a correr bem na estação e que a equipa estava a trabalhar.
Fonte: DN

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Aprovada comercialização do primeiro 'olho biónico'


Aprovada comercialização do primeiro 'olho biónico'



(COM VÍDEO) Aparelho batizado de 'Argus II' ajuda pessoas que perderam a visão devido a uma doença rara a distinguir formas e movimentos. Com a sua comercialização autorizada esta semana pela Agência de Medicamentos americana (FDA, sigla em inglês), Argus II será o primeiro aparelho do género a chegar ao mercado. Apoiado também por autoridades europeias, o dispositivo já foi implantado em cerca de 60 pessoas no mundo.

Embora o dispositivo não seja capaz de restaurar a visão, ele dá aos utentes a capacidade de perceber a diferença entre a luz e a escuridão. O aparelho é composto por uma câmara de vídeo, um transmissor sobre um par de óculos e uma unidade de processamento de imagens, que transforma as imagens em dados eletrónicos enviados para uma prótese implantada na retina.
A empresa explica o funcionamento do sistema neste vídeo:
"Esse novo sistema é uma grande oportunidade para as pessoas que não têm visão devido à retinite pigmentosa (RP). Este olho biónico permite-lhes ter perceções de formas e movimentos. Funções que, também, lhes possibilitam ser mais independentes e realizar as tarefas diárias", disse num comunicado Jeffrey Shuren, diretor do Centro para Saúde Radiológica e Dispositivos da FDA.
Retinite pigmentosa é uma doença genética rara que afeta principalmente as células que detetam a luz na retina. Num olho saudável, essas células convertem os raios de luz em impulsos elétricos que enviam informações através do nervo ótico até ao cérebro, que classifica os sinais e os transforma em imagens. A RP atinge cerca de cem mil pessoas nos Estados Unidos, de acordo com dados da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles.
Fonte:DN

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Asteróide já fez a sua maior aproximação à Terra


O asteroide tem cerca de 45 metros de diâmetro                      

Fotografia © REUTERS/NASA/JPL-Caltech/Handout

Eram 19:54 (hora de Lisboa) quando o asteroide 2012 DA14 efetuou a sua maior aproximação à Terra, a cerca de 27.680 quilómetros acima da superfície terrestre, anunciou a NASA, citada pela CNN.




Meteorito que fez quase mil feridos caiu a 30 km/segundo


Meteorito que fez quase mil feridos caiu a 30 km/segundo

O Governador da região de Cheliabinsk, Mikhail Lourevitch, anunciou que o número de feridos provocado pela queda do meteorito na região dos Montes Urais subiu para 950. Entre as vítimas há 82 crianças, duas das quais estão internadas nos cuidados intensivos, avança a Sky News.
VEJA AQUI UM VÍDEO COM IMAGENS DA QUEDA DO METEORITO:
O Ministério para Situações de Emergência da Rússia tinha anteriormente relatado um total de 524 feridos, tendo agora o Governador avançado, à agência RIA Novosti, um número que quase duplica as vítimas. A maioria das vítimas atingidas por estilhaços de vidros, que se partiram devido às ondas de choque libertadas pelas explosões do meteoro no seu percurso até atingir o solo.
O meteorito caiu, hoje de manhã, a cerca de 80 quilómetros da cidade de Tcheliabinsk, na região com o mesmo nome, explicou um porta-voz governamental à agência Interfax. Os militares russos terão já encontrado uma cratera de seis metros de diâmetro, onde terá caído o meteorito.
As autoridades indicaram que o meteorito caiu a 30 quilómetros por segundo, tendo-se desintegrado em vários "pequenos fragmentos" antes de atingir a superfície do planeta.
A Academia Rússia de Ciências disse que o meteorito pesava dez toneladas antes de entrar na atmosfera terrestre, segundo o site RT, ligado à Novosti TV. A mesma fonte indicava que o meteorito teria explodido pelo menos nove vezes antes de atingir a Terra.
O exército russo foi obrigado a desmentir quaisquer ações relacionadas com a queda do meteorito: "O ministério da Defesa russo não tomou qualquer ação relacionada com o incidente. Não foram detetados no ar quaisquer aeronaves em nenhum período de tempo", esclareceu o ministério em comunicado. Quando se deu o incidente existiram relatos não confirmados que acusavam os militares de terem disparado contra o meteorito, que se desintegrou.
O fornecimento de gás foi cortado em centenas de casas na região e, segundo a agência noticiosa russa RIA Novosti, estima-se que mais de 20 mil trabalhadores de equipas de salvamento tenham sido mobilizados para o local.
O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, declarou, no Fórum Económico Internacional de Krasnoiarsk, esperar que as consequências da chuva de meteoritos "não sejam graves".
"Não obstante, é uma prova de que não é só a economia que é vulnerável, mas todo o nosso planeta", frisou.
"Patrulhas reforçadas garantem a ordem pública nos edifícios atingidos e onde se registaram avarias e foram tomadas medidas para proteger a propriedade", acrescentou a fonte.
As autoridades locais encerraram todas as escolas e jardins de infância, devido ao facto de a maior parte terem ficado sem vidros nas janelas.
"Hoje, em Cheliabinsk, a temperatura é de 18 graus negativos, por isso decidimos encerrar todas as escolas e infantários", anunciou Guennadi Onischenko, dirigente dos serviços sanitários da Rússia.
Os cientistas não excluem a possibilidade de uma nova queda de meteoritos noutras regiões da Rússia ocorrer na noite de sexta para sábado.
Dmitri Rogozin, vice-primeiro-ministro russo encarregado do setor militar-industrial, defendeu a necessidade de criação de um sistema de defesa contra "objetos extraterrestres" pelos maiores países do mundo.
"Hoje, nem a Rússia, nem os Estados Unidos têm possibilidade de abater meteoritos", sublinhou Rogozin.
DN

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Apple acelera projeto 'iWatch'


Apple acelera projeto 'iWatch'

Fotografia © Reprodução

Cerca de cem profissionais da Apple formam uma equipa que está a trabalhar exclusivamente no relógio 'iWatch', que terá conexão com a Internet e outros gadgets da companhia, revelaram à agência Bloomberg fontes próximas ao projeto.

O grupo é composto por profissionais da cadeia de produção, design, pós produção, desde engenheiros de computação a especialistas em marketing. Como de costume na empresa fundada por Steve Jobs, a equipa está afastada de outros projetos e isolada dos outros companheiros de trabalho. Segundo as mesmas fontes, o tamanho e a diversidade do grupo denuncia que o projeto está muito avançado.
Assim como ocorreu com o iPhone e o iPad, o iWatch não será o primeiro produto do seu tipo. O relógio da Apple chegará após o 'Smartwatch' da Sony e o italiano 'i'm watch'. Mas espera-se que o produto seja muito procurado, pelo menos pelos fãs incondicionais da marca, agradando assim aos accionistas ávidos por mais dividendos.
A margem de lucro do relógio seria alta, e, ao contrário de outros aparelhos eletrónicos, o seu mercado pretende-se mais amplo, desde os consumidores de relógios de luxo aos colecionadores, passando pelos que apenas seguem as tendências de moda.
DN

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Software prevê os crimes antes de acontecerem


Uma multinacional americana desenvolveu um software capaz de localizar e mapear os movimentos de cada pessoa, prevendo comportamentos através do GPS e de informações divulgadas no Facebook, no Foursquare ou no Twitter. A ideia é antecipar comportamentos de terroristas.

O RIOT (Rapid Information Overlay Technology), um software de análise de informação em larga escala, está ao serviço do governo americano desde 2010 como parte de um projeto de investigação que pretende criar um sistema de segurança nacional capaz de "analisar biliões de identidades" através do ciberespaço.
O facto de o RIOT se aproveitar de plataformas populares como as redes sociais e usar técnicas de cruzamento de dados para exercer a sua vigilância e impedir atentados contra os países que defende atraiu o interesse de agências de segurança de todas as partes do mundo. Mas também é alvo de criticas daqueles que pretendem ver resguardadas as suas liberdades civis e a sua privacidade.
Um vídeo conseguido pelo 'The Guardian' (veja aqui) revela como é possível obter um retrato instantâneo da vida de uma pessoa, dos seus amigos, dos locais que frequenta, apenas com um clique no botão do rato.
Brian Urch, um dos principais "investigadores", decide exemplificar o funcionamento do programa e, em quatro minutos, reúne, não só todos os trajetos efetuados por Nick, um dos seus empregados, como algumas das suas fotografias e previsões para o futuro. "Se quiser encontrar o Nick ou o seu computador, pode visitá-lo segunda-feira, às seis horas, no ginásio", diz.
Esta tecnologia tem várias aplicações potenciais, como prever comportamentos criminosos antes de estes acontecerem. Mas para o fazer cruza informações de cidadãos comuns, sem que estes o saibam, no que será uma violação do direito à privacidade.
Fonte: Diário de Notícias Virtual


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Grande asteroide pode ser observado em Portugal


O grande asteroide que vai passar perto da Terra na sexta-feira poderá ser observado em Portugal com uns binóculos para visualização de aves ou com um telescópio amador, informou hoje o Centro Ciência Viva (CCV) de Constância.

Em Portugal, o corpo rochoso e metálico, sem risco de colisão com a Terra, e que no céu resume-se a um pequeno ponto de luz, apesar das suas generosas dimensões, pode ser observado entre as 19:40 (hora de Lisboa) de 15 de fevereiro e as 02:00 do dia seguinte.
Nuno Milagaia, coordenador pedagógico do CCV de Constância/Parque de Astronomia, referiu à agência Lusa que o asteroide estará mais brilhante e perto da Terra pelas 19:40, podendo ser visto, com céu muito escuro, até de madrugada com uns binóculos de "boa abertura", normalmente usados para observação de aves, e presos num tripé.
Já de madrugada, e uma vez que a magnitude do asteroide aumenta ao longo da sua trajetória, o corpo só poderá ser observado com um telescópio amador, adiantou a fonte.
No céu, o asteroide distingue-se das estrelas por ser um pequeno ponto de luz - luz refletida do Sol - em movimento.
A sua passagem perto da Terra inicia-se, pelas 19:40, na direção da Constelação de Virgem, terminando, às 02:00, próximo da Estrela Polar.
Fonte: Diário de Notícias Virtual

Astronauta capta Lisboa vista do espaço


Astronauta capta Lisboa vista do espaço


O astronauta canadiano Chris Hadfield é conhecido por ter o hábito de tirar fotografias a partir da Estação Espacial Internacional, e partilhá-las pelas redes sociais. Ontem à noite, escolheu fotografar Lisboa e um pouco da margem sul do Tejo.

Lisboa aparece num tom dourado, onde se destaca a baixa pombalina e as pontes de ligação à margem sul.
Esta fotografia é uma das mais recentes partilhadas pelo astronauta, na sua conta do Twitter. As imagens obtidas a mais de 350 quilómetros de altitude, retratam vários países do globo.
Fonte: Diário de Notícias Virtual

domingo, 10 de fevereiro de 2013

30 Locais a visitar em 2013


Hoje dia 10 de Fevereiro de 2013, o blog Fenómenos Científicos e o Nosso Planeta elaborou uma lista de 30 locais, que em nosso entender, são os mais interessantes para se visitar em 2013.

1.Lisboa












2.Guimarães











3.Santiago do Chile











4.Islândia











5.Milão












6.Nova Iorque











7.Washington D.C.











8.Brasília











9.Machu Pichu











10.República da Geórgia












11.Londres











12.Paris











13.Park City











14.Cali














15.Açores











16.Havai












17.Antuérpia












18.Chicago












19.Manchester












20.Tallin











21.Singapura












22.Whistler



23.Dresden











24.Los Angeles












25.Las Vegas












26.Okinawa












27.Miami











28.Veneza











29.Nuuk











30.Viena